Páscoa: Deus passou por aqui…

Na cruz de Jesus, Deus passou pela morte

 A palavra “páscoa” traduz o hebraico “pessach” que, como é sabido por todos, significa “passagem”. Trata-se de uma referência à noite em que anjo de Deus passou pelo Egito libertando o povo de Israel de sob o domínio de Faraó que já durava 400 anos. Tal episódio encontra-se relatado em Êxodo 12 e é, sem sombra de dúvida, uma das memórias prediletas do povo judeu. Com efeito, desde aquela noite até o dia de hoje, uma vez por ano, inexoravelmente, Israel celebra esta data. É a festa da Páscoa.

Entretanto, a celebração anual desta festa não é privilégio dos judeus. Nós cristãos também a celebramos fielmente, se bem que desde um prisma diferente. Um prisma que, a rigor, não exclui nem invalida o prisma judaico, mas o transcende. Porque se para os judeus a páscoa é a festa da libertação nacional, para nós cristãos, ela é a festa da libertação universal e total; a comemoração por excelência do triunfo da vida sobre a morte e sobre todos os seus agentes em benefício de toda criação. Por essa razão, na páscoa, cantamos todos juntos: “Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão?” (1Co 15,55).

Este ponto é preciso estar claro: para nós cristãos, a páscoa é a festa da vida, de sua afirmação e vitória sobre a morte ainda que cruzes façam parte da história. Porque o que aqui celebramos não é outra realidade senão a da passagem triunfal (e misteriosa) de Deus pela morte suscitando vida desde suas entranhas. O que na fé afirmamos, na páscoa celebramos: Deus mesmo, em carne e osso, visitou a nossa história, experimentou as nossas dores, comeu pão e bebeu vinho, sentiu fome, sede, teve medo, riu e chorou. Nasceu criança pobre, vulnerável, entregando-se aos cuidados de José e Maria. Foi circuncidado ao oitavo dia, freqüentou o templo e as festas do povo. Uma vez crescido, tomou partido dos pecadores. Deu valor às crianças e às mulheres, curou os enfermos, libertou os endemoninhados, acolheu a gente marginalizada, questionou os costumes e as tradições religiosas, ensinou o amor e denunciou a injustiça. Viveu sem pecado. Foi morto de forma brutal em uma cruz hedionda. Mas ressuscitou ao terceiro dia. Nas palavras de Pedro: “andou por toda parte fazendo o bem” (At 10,38). Em Jesus de Nazaré, Deus mesmo passou entre nós ordenando vida e inaugurando a ressurreição de todas as coisas.

Na Páscoa, portanto, nós cristãos declaramos: o mundo já não terá um fim, mas um futuro – será transfigurado. Toda criação já está sendo redimida, ressuscitada. Por isso, na fé, já não falamos mais em termos de morte e vida, mas de vida e ressurreição. Porque a morte nada mais é do que o ponto de chegada de nossa vida natural ao passo que a ressurreição marca o seu início. Sim, começamos a viver quando ressuscitamos em vida por meio de Jesus Cristo. Dia após dia o nosso corpo vai morrendo, mas em Cristo, somos ressuscitados a cada novo dia, chamados a uma nova existência, a uma experiência de plenitude.

Embora muitas vezes o contexto concreto em que nos encontramos aponte noutra direção – seja a família em crise, a vida profissional ameaçada ou mesmo a conjuntura social caótica –, é necessário sempre de novo lembrar que a cruz não pode conter a ressurreição. Ao terceiro dia, ela acontecerá!!! Haverá dias de pranto, de luto, de sombras, mas o sol brilhará outra vez. Esta promessa foi selada com sangue. Assim, aguardamos o dia bendito em que Deus será “tudo em todos” (1Co 15,28). É isto, precisamente, que na páscoa celebramos: o princípio de nossa libertação total e a promessa de abundância de vida. Aleluia!

Escolhe a vida

Andy e Red no pátio da prisão
Andy (Tim Robbins) e Red (Morgan Freeman)

 

“A morte é mais universal que a vida; todo mundo morre, mas nem todo mundo vive” (Alan Sachs)

 

Há filmes que merecem ser vistos mais de uma vez. Este é o caso de  “Um sonho de liberdade”. Cada vez que o assisto, saio sentindo-me recompensado por ter gasto aquele tempo diante da tv.

Uma cena, em particular, chama minha atenção: Andy e Red estão no pátio da prisão conversando sobre a vida do lado de fora daqueles muros. Andy havia sido jogado ali vinte anos atrás por um crime que não cometera enquanto Red se aproximava do trigésimo aniversário de seu encarceramento. Ao ouvir o amigo admitir que estava “institucionalizado” e que temia não mais saber viver como um homem livre, Andy lhe diz, com uma voz profunda e enigmática: “A vida se resume em uma única escolha: ocupar-se de morrer, ou  ocupar-se de viver”. À noite, Andy foge da prisão e dá início a reconstrução de sua vida.

Obviamente, Andy é o personagem principal do filme. Sua inconformidade e ousadia  nos inspiram, nos desafiam, nos chamam a imitá-lo. Mas é com Red que a maioria de nós se identifica. Pois Red representa aquelas pessoas que, na verdade, não desistiram da vida, mas a desaprenderam. Gente que se permitiu “institucionalizar” pelas rotinas das prisões em que se encontram. São pessoas que interiorizaram suas cadeias e aceitaram a realidade presente como o próprio destino.

Embora vivamos aparentemente livres fora dos muros de uma prisão, é bem possível que também tenhamos aceitado e interiorizado algumas das cadeias que insistem em nos aprisonar. Com efeito, quantos de nós não nos habituamos à vida que levamos de tal maneira que já não mais consideramos a hipótese de que ela poderia ser melhor? Quantos de nós não nos permitimos institucionalizar ao ponto de temermos arriscar coisas novas? Quantos de nós já não nos ocupamos mais de viver?

À semelhança de Red – e de um sem número de pessoas –, o povo de Israel também experimentou um alto grau de “institucionalização” após 400 anos de cativeiro no Egito. Por este motivo, à porta da terra prometida, Deus lhes coloca a seguinte alternativa: escolher entre “a vida e o bem” e “a morte e o mal” (Deuteronômio 30:15).

É claro que, consciente e voluntariamente, o povo de Israel jamais escolheria “a morte e o mal”. Mas após tanto tempo vivendo como escravos, era possível que eles temessem viver como gente livre. De modo não-consciente, eles talvez temessem escolher o bem. Mais ainda: eles talvez não soubessem fazê-lo. As palavras que Deus lhes dirije têm como preocupação fazer com que se conscientizem da necessidade de abraçarem uma outra postura diante da vida, pois aquela velha postura institucionalizada não lhes serviria na nova terra. Com efeito, não lhes bastava ter saído do cativeiro egípcio; era preciso que o cativeiro egípcio fosse expurgado de sua alma sob pena de agirem condicionados pela memória de seu passado. Daí o conselho divino: “Escolhe a vida” (Deuteronômio 30:20).

 A mesma preocupação que possuia em relação ao povo de Israel, Deus possui hoje em relação a cada um de nós: não é sua vontade que vivamos aprisionados, ocupados com a morte ao invés de com a vida. Antes deseja ver-nos conscientemente engajados na tarefa diária de nossa libertação sem a qual não é possível viver de forma profunda e verdadeira. Por isso repete para nós a cada novo amanhecer: “Escolhe a vida”. “Escolhe viver para que de fato vivas”. Resta-nos, portanto, ouvir seu amoroso conselho e, a cada dia, escolher novamente a única alternativa válida, pois, do contrário, já teremos abraçado o nosso trágico destino.