Competência e sabedoria

"O Pensador", de Rodin, na perspectiva da competência capitalista

 

“Como é feliz o homem que acha a sabedoria!” (Pv 3:13)

 

A sociedade contemporânea nos incentiva, em tudo, a buscar competência. Ainda crianças aprendemos na escola: é preciso estudar para passar de ano para mais tarde entrar em uma boa faculdade e sair de lá com um currículo de peso sem o qual não se consegue um bom emprego. E nem se ganha dinheiro.

Assim nos é explicado – e transmitido – o valor da educação e da aquisição de conhecimentos. Tal, no entanto, simultaneamente oculta e releva um grave problema: aprendemos a buscar instrução pelos motivos errados. Passamos anos na escola, aprendemos e estudamos conteúdos diversos visando, em última instância, ganhar dinheiro. Competência, segundo a lógica capitalista, é isso: um currículo impressionante que te prove merecedor de uma boa remuneração.

Porém esta é uma visão demasiadamente estreita da instrumentalidade do conhecimento, da formação intelectual e, mais amplamente, da razão de ser da própria vida. Pois reduz o ser humano à esfera da atividade produtiva negando-lhe sua complexidade e riqueza. O resultado dessa lógica é bem conhecido: nossa sociedade forma excelentes profissionais, porém, pessoas medíocres; gente capaz de administrar corporações gigantescas, mas incapaz de gerir com êxito a própria família. São detentores de grande técnica e eficácia, merecedores de polpudos salários por seu conhecimento e expertise, mas não têm muitas vezes o que dizer o assunto migra para o âmbito da vida privada. Quantos hoje em dia não triunfam profissionalmente ao passo que suas vidas pessoais naufragam de forma vergonhosa e inelutável?

Contrariando a lógica cultural dominante, e vacinando-nos contra o quadro descrito acima, as Escrituras Sagradas nos aconselham a buscar sabedoria antes de competência:  “Procure obter sabedoria” (Pv 4:7).  Pois ela é como “árvore que dá vida a quem a abraça” (Pv 3:18). A sabedoria “é mais proveitosa do que a prata e rende mais do que o ouro […] nada do que você possa desejar se compara a ela. Na mão direita, a sabedoria lhe garante vida longa; na mão esquerda, riquezas e honra. Os caminhos da sabedoria são caminhos agradáveis, e todas as suas veredas são de paz” (Pv 3:14-17).

As citações falam por si mesmas. A sabedoria é a mais elevada de todas as empresas humanas. Ela não exclui a competência, mas a complementa e potencializa. Quem torna-se sábio, tende também a tornar-se melhor profissional. Pois ao adquirir sabedoria, discerne o valor da competência e compreende o lugar de sua carreira no conjunto da vida. Ao invés de tornar-se uma pessoa unidimensional obssecada com o sonho do contra-cheque de cinco dígitos (ao preço de todo o resto), o sábio caminha na direção de tornar-se uma pessoa melhor, plena, integrando as múltiplas dimensões de sua vida e pessoa sem prejuízo de nenhuma delas.

Mas onde podemos encontrar a sabedoria se esta não é ensinada nas escolas nem tampouco nos manuais corporativos? 

Segundo o testemunho das Escrituras Sagradas, “o Senhor é quem dá sabedoria” (Pv 2:6). Ele a dá “livremente e de boa-vontade” a quem dela tem falta e a solicita (Tg 1:5). A sabedoria habita o relacionamento com Deus e a partir dele se irradia. Ela advém da comunhão com o Pai e do hábito de refletir e meditar em sua palavra. Não pode ser comprada por dinheiro. Não pode ser aprendida em cursos aqui ou no exterior. Ela é dom. É graça que nos é dispensada no convívio afetuoso com aquele que é onisciente e fonte de todo conhecimento. A sabedoria é o reflexo da luz divina que se projeta sobre nós quando nos voltamos para contemplar seu rosto amável e cheio de ternura.

A diferença fundamental entre a competência e a sabedoria é que a primeira se restringe ao mundo do trabalho enquanto a última se aplica à totalidade da vida e da pessoa. A sabedoria é fruto do relacionamento com Deus e por isso abarca e abençoa o conjunto de nossa trajetória neste mundo. A competência tem vida breve e se limita aos anos produtivos depois dos quais é inútil. Quem busca sabedoria, encontra todo o resto ao passo que quem busca competência, acha dinheiro – e dinheiro apenas. Depois, o vazio.

Anúncios

5 comentários em “Competência e sabedoria

  1. Belo texto, inspirado mesmo…!

    Nota-se sólida formação acadêmica, expertise conquistado, dá gosto ver tanta erudição. Conhecimento que nos alimenta, nos ensina.

    Outro aspecto notável de seus textos é que o dinheiro permeia vários deles mas ao contrário do estereótipo dos pastores evangélicos contemporâneos, que em algumas igrejas fazem a maquina de cartão de crédito pular de colo em colo, enquanto bradam do púlpito nossa obrigação de dar $, dar e dar, fazendo um trading desonesto com Deus, o pastor Leandro tem uma indiferença comovente em relação ao dinheiro, imaginando um vazio onde a maioria, erradamente, vê solução. Atribuindo, corretamente, infortúnios inelutáveis aos salários de cinco dígitos (e graças a Deus, nunca saberemos), incapazes de gerir com êxito suas próprias familías, de certo, infelizes e desajustadas.

    Continue assim, pastor, nos presenteando com sua sabedoria, dada por Deus. Seu texto me lembrou de uma coisa que li, tempos atrás; “Nem todos se sentem satisfeitos com seus corpos mas TODOS se satisfazem com seu cérebro”.

    Obrigada, pastor. Vida longa ao seu blog!

  2. Olá Pastor!!!

    É fácil ver no dia-a-dia como essa relação acontece..e a cada dia que passa parece que valoriza-se mais a competência em detrimento da sabedoria…hoje, mais do que no passado, abre-se um fosso entre aqueles que possuem mais e os que possuem menos, a consequência desse imenso fosso é a falta de amor de uns para com os outros(é uma pena que no meio evangélico isso também ocorra). Vamos vivendo em um mundo em que, sem percebermos, ao poucos os valores vão se distorcendo.
    É uma alegria descobrir que precisamos de muito pouco pra viver, mas também tenho que concordar que,para muitos, não é fácil andar na contra-mão do mundo, deixando de lado pequenos confortos. De toda forma gostaria de parabenizá-lo pelo texto, faz a gente pensar e dá vontade de comentar.(eu não quis rimar)

  3. Celso, permita-me concordar em seu post ; “para muitos, não é fácil andar na contra-mão do mundo, deixando de lado pequenos (ou grandes) confortos” podemos lembrar também que somos os únicos filhos sobre a terra a quem Deus outorgou o livre arbítrio, onde, só nós, temos a escolha de onde morar ou do que comer; os pássaros não podem avaliar se a semente que comem é boa ou má, os ursos não analisam se a engenharia de sua toca é adequada à sua prole. Deus as deu perfeitas. Só nós ganhamos de presente do Criador, a beleza e a responsabilidade do livre arbítrio.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s