Leveza e moderação

Santidade não significa não-fazer, mas fazer diferente.
Santidade não é isolamento, mas proximidade

Incomoda-me, com freqüência, perceber que o Evangelho de Jesus Cristo vem sendo apresentado ao longo dos anos de forma desinteressante e vivido de forma triste e “pesada” por tantos cristãos, já que deveria seduzir as pessoas por tratar-se da boa-nova de salvação de Deus para homens e mulheres.

Infelizmente, tal realidade não é nova. Desde a chegada dos primeiros missionários norte-americanos no Brasil em meados do séc. XIX é assim. O protestantismo que recebemos daqueles irmãos queridos veio marcado por um forte moralismo típico do puritanismo inglês, matriz teológica do Evangelho que chegou e se instalou na América do Norte. Embora passível de críticas, a moralidade rígida daqueles missionários tinha por trás de si uma preocupação legítima: a santidade. Eles eram homens e mulheres que buscavam fazer a vontade do Senhor a todo custo. Não se discute o fato de que eram pessoas eticamente irrepreensíveis, de ilibada reputação na sociedade. Todavia, seu excesso de zelo moral trouxe conseqüências trágicas para o protestantismo que estava nascendo por aqui.

O erro que nossos irmãos cometeram é o mesmo que ainda hoje vemos presente na mentalidade evangélica brasileira: a associação da idéia de santidade à noção de privação. Por conta disto, cristalizou-se na mente das pessoas uma ética de tipo negativa e uma lógica do “não fazer”. O crente, então, passou a ser conhecido como o indivíduo que não fuma, não bebe, não vai ao cinema no domingo, não ouve música “do mundo”, não freqüenta ambientes culturais, não usa bermuda, não usa brincos, anéis, colares, não vai à praia, não joga futebol etc. Na verdade, o conceito bíblico de santidade é completamente outro, bem como é outra a ética que produz. Santidade não significa isolamento do mundo, mas proximidade de Deus para estar no mundo de modo distinto. Ser santo não significa não fazer, mas fazer diferente. Ser santo é ser “sal da terra e luz do mundo” (Mt 5.13).

Por falta desta clareza, muitos crentes têm vivido sufocados sob o jugo de tantas restrições, e muitas pessoas que vivem por aí sem Deus têm pavor de ouvir falar do Evangelho. Importa, por este motivo, lembrar as palavras de Jesus quando afirma que o seu fardo é “leve” (Mt 11.30), e acolher a recomendação do autor da epístola aos Hebreus no sentido de deixarmos para trás “todo peso e pecado” (Hb 12.1) que nos atrapalhem a corrida da vida cristã. Não se trata de pregar um Evangelho permissivo e libertino, mas de resgatar o ideal divino de uma vida plena e abundante, vivida com leveza e moderação. 

 

Anúncios

3 comentários em “Leveza e moderação

  1. amei a sua colocação. perfeita concordo em genero ,numero e grau. a igreja de jesus tem que estar cheia desse conteúdo, vivendo normalmente , sem falso moralismo e acima de tudo com os pés no chão.sem santarisse, mas sempre lutando contra o pecado que nos assedia a todo momento e avancando para as coisas que diante de nós estão , olhando firmemente para o autor e consumador da nossa fé. Jesus Cristo filho de Deus inigenito do pai. sabendo que o melhor de Deus não está por vir como muitos dizem e até colocam em adesivos nos seus automóveis. Ao contário ele veio cheio de graça e de verdade para nos regatar do fundo do posso. E ele mesmo fez o convite a todos , atodos quanto se arrepederem se se voltar para ele . A esses lhes é permitido que o conhecam claramente e provem da sua intimidade, das boas novas de salvação. abraço forte vai nessa tua força amado Deus é contigo amém.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s